Vídeo de Magazine Luiza e a Fotografia de Casamento

Na última semana tivemos um assunto polêmico que incomodou milhares de fotógrafos de casamento em todo o Brasil: O vídeo da Magazine Luiza promovendo o iPhone 7.

Juro que não queria falar sobre isso, pois sempre há opiniões distintas e muitas vezes entendimento distorcido sobre o texto. Portanto, não consegui ficar de fora. 😉

Certamente muitos vão concordar, outros discordar, no entanto em nenhum momento podemos nos ofender.

Esta não é a intenção deste texto, mas sim mostrar o lado de como penso (eu Willian) como fotógrafo profissional e o que podemos levar como aprendizado.

Já falei com o Conar

Consegui falar pessoalmente com o jurídico do CONAR para verificar como anda o caso. Quem não sabe, o CONAR é o Conselho Nacional de Regulamentação Publicitária.

Houveram cerca de 30 queixas contra a Magazine Luiza. Ainda não saiu a nota oficial, mas o jurídico me disse que a questão toda está embasada em que “um padrinho não pode substituir o fotógrafo profissional” e não em qualquer outro fato específico do comercial.

Claro que eu concordo que um padrinho não poderá substituir um fotógrafo, a não ser que o tal padrinho seja um fotografo profissional.

Importante: Assim que sair alguma nota oficial sobre o caso, atualizarei novamente este artigo.

A Magazine se pronunciou antes do CONAR

Outra coisa que precisa ficar clara, é a questão da Magazine Luiza ter retirado o vídeo antes das queixas no CONAR, o que na minha opinião é o primeiro passo de “arrependimento” e entender que a ação no foi legal.

Falei com o Rafa Petrocco do Papo de Fotógrafo e, após entrarem em contato com a empresa, recebeu uma ligação pedindo desculpas pelo ocorrido, em seguida retiraram o video do ar.

Muitos vem querendo se queixar e falar o que não sabem, chegam atrasado e saem compartilhando como um telefone sem fio.

A questão que quero abordar é outra

Será que o cliente final, no caso os noivos, terão outra conduta por conta do comercial?

Para me auxiliar nesta questão, convidei um CLIENTE REAL para participar comigo de uma LIVE.

… mas antes gostaria que lesse este artigo até o final,  valerá a pena ou pelo menos você vai saber como eu penso sobre mercado.

Quer começar pela LIVE, é só apertar o play abaixo.

Este artigo é um conteúdo de opinião e não está aqui para defender, acusar, tampouco desrespeitar qualquer pessoa, independente de ser fotógrafo(a) ou não.

Como o assunto tomou uma proporção considerável, quero abordar alguns aspectos e gostaria também de ouvir sua opinião.

Apenas peço se for dar sua opinião, leia o texto completo, sem pular qualquer parágrafo, combinado?

O vídeo publicado por Magazine Luiza

Não consegui falar com a equipe de Marketing da Magazine Luiza para solicitar autorização do uso do vídeo, então salvei alguns quadros do vídeo e adicionarei uma legenda.

Até mesmo pelo fato da equipe ter tirado o vídeo oficial do ar a pedido dos fotógrafos, então a melhor forma é respeitar a opinião da equipe e os fotógrafos que solicitaram.

Magazine Luiza vídeo Fotógrafo Casamento
Quadro #1: O padrinho comprando um iPhone 7

Quadro #1 (acima) : Esta é uma das primeiras cenas do vídeo. O padrinho da noiva comprando seu novo iPhone 7.

Magazine Luiza Fotógrafo deu Cano
Quadro #2: Noiva preocupada com o fotógrafo

Quadro #2 (acima): Esta é a cena em que no segundo plano tem a noiva conversando com uma madrinha (minha sugestão).

A noiva diz “Não acredito, o fotógrafo deu cano”.

Em sequência, o padrinho olha para a noiva, mostra o iPhone e diz “relaxa”.

Padrinho fotografando casamento celular
Quadro #3: Cenas do padrinho fotografando

Quadro #3 (acima): Em sequência, são apresentados quadros durante o casamento, com o padrinho fotografando com seu novo smartphone.

Fotos Casamento iPhone 7
Quadro #4: Noiva olhando algumas fotos

Quadro #4 (acima): O padrinho mostrando à noiva algumas fotos que ele conseguiu, já que o fotógrafo profissional não compareceu ao casamento.

Fotografia de Casamento com iPhone 7
Quadro #5: Resultados com suposto iPhone 7

Quadro #5 (acima): Miniaturas com resultados de fotografias supostamente feitas com um iPhone 7. Já já explicarei o motivo de usar o “supostamente” no texto.

Analisando o vídeo

Para dar minha opinião e escrever este artigo, quero separar minha “crítica” pelos tópicos evidentes no roteiro. Não significa que seja a melhor forma, porém é como costumo analisar tudo o que vejo.

  • Fato #1: O fotógrafo irresponsável “deu o cano”;
  • Fato #2: Os resultados das fotografias;
  • Fato #3: Os casamentos no Brasil;
  • Fato #4: É um vídeo publicitário;

Fato #1: O fotógrafo irresponsável “deu o cano”

O mais natural é nos sentirmos ofendidos com tal “acusação”. O roteirista poderia escolher outro argumento para ter o padrinho fotografando o casamento com um smartphone.

Certamente não foi a melhor escolha, mas não podemos colocar um pano por cima e fingir que isso não acontece. Infelizmente, eu mesmo já ouvi dezenas de relatos reais sobre.

Antes de continuar lendo este texto responda 2 perguntas (apenas para você):

Pergunta #1: Você já deu um cano em alguma noiva? Se sua resposta for não, qual o motivo de estar ofendido(a)?

Pergunta #2: Você nunca ouviu uma noiva dizendo que o fotógrafo da amiga “deu o cano”? Aqui já ouvi muitas vezes e já fotografei noivas que amigas passaram por tal situação.

Então, infelizmente este não é um argumento falso certo?

É tão comum, que por algumas vezes foi notícia e tenho certeza que alguns fotógrafos(a) já pensaram: “Bem feito, quem mandou fechar com ele”, principalmente se for seu concorrente direto.

Ah… e sem mimimi dizendo que a classe é unidade que precisamos ser amigos e não concorrentes. Concorrência mercadológica, não significa não ter amizade.

Tenho amizade com muitos fotógrafos e temos empresas concorrentes competindo no mesmo mercado e o mesmo público. O que não significa inimizade, pelo contrário, quando não tenho agenda posso índicá-los.

Ah Willian, então você não vai defender nossa classe?

Há muitas outras formas de ajudar o mercado. Não é à toa que aqui no Falando de Foto tem mais de 130 artigos publicados sobre plano de negócio, pós produção e dicas para quem está iniciando.

Meu convite: Você é um(a) fotógrafo(a) responsável, não se preocupe com isso, pois não serve pra você.

Se reclamar fosse a solução, teríamos muitos fotógrafos que só reclamam bem sucedidos com seu negócio. Use a informação da mídia a se favor, assim como faço e sempre recebo ótimos feedbacks.

Já pensou em usar esta notícia a seu favor?

Pergunte para seu cliente final sobre o vídeo e não para outros fotógrafos. Os noivos certamente serão mais sinceros em relação à outros fotógrafos que são a “parte ofendida” disso.

Ontem jantei com um casal de amigos…

… que conheci anos atrás quando me contrataram para fotografar o casamento. Tive mais uma confirmação que, essa preocupação é muitas vezes mais “coisa de nossa cabeça”.

Os dois já fizeram curso de fotografia comigo, tem equipamentos melhores que muitos fotógrafos que conheço e mesmo assim investem na fotografia profissional. Qual o motivo deles?

Confiança… gostar de como eu fotografo e não com qual equipamento faço as fotos.

Na LIVE o Rafael diz que nem mesmo perguntou qual seria o equipamento usado para fotografar seu casamento. Certamente ele já espera algo profissional, e não um iPhone.

Voltando…

… mostrei o vídeo a eles e também acharam um absurdo a questão de colocar um iPhone 7 para fotografar um casamento e a substituição de um fotógrafo pelo padrinho.

Isso fica cada vez mais claro pra mim que o problema se torna MAIOR entre os próprios fotógrafos. E o MEDO toma conta de tudo.

Se você faz parte dos fotógrafos que acharam um absurdo e acredita que o mercado está cada vez pior, recomendo PARAR TUDO, E REPLANEJAR sua carreira na fotografia.

Algo está errado. Claro que essa é uma opinião pessoal galera. 😉

Fato #2: Os resultados das fotografias

Pra mim, fica claro no comercial que as fotos sequer chegam ao trabalho de um fotógrafo de casamento profissional competente.

Por isso, fico ainda mais tranquilo em relação ao “que os clientes vão pensar” sobre e que “o mercado ficará pior” por conta deste comercial.

Fotografia de Casamento com iPhone 7
Quadro #5: Algumas Resultados possíveis apenas com um iPhone 7 Plus

Equívoco ou propaganda enganosa: Outro detalhe que talvez tenha passado em branco é que algumas fotos mostradas no vídeo são possíveis apenas com um iPhone 7 Plus, principalmente as que possuem pouca profundidade de campo.

Este é um recurso presente apenas no iPhone 7 Plus, que vem com 2 lentes.

Fato #3: Os casamentos no Brasil

Outro fato que irritou os fotógrafos foi a impossibilidade de fazer belas fotos de casamentos durante a noite utilizando um iPhone.

Isso é uma verdade em fotografias de momentos, porém em fotos posadas dá sim para fazer belas fotos com um celular e o auxílio de um led.

Os casamentos no Brasil acontecem na maioria das vezes à noite, o que de cara já inviabiliza qualquer pessoa querer ter belas fotos apenas com um celular.

Em minha opinião, mais uma vez é um fato que confirma a importância de um fotógrafo de casamento com equipamentos adequados.

Agora não posso discordar que daria para fazer belas fotos com um iPhone 7 num casamento durante o dia, mesmo espontâneas, pois quando há luz ele pode ser muito rápido e não deixar a desejar.

Como sei disso? Já testei o modo “burst” de meu iPhone 7 plus.

Então vamos estudar mais, para entregar melhores fotos aos clientes que jamais seremos comparados ou substituídos por um padrinho, a não ser que este padrinho seja um fotógrafo de casamentos.

Fato #4: É um vídeo publicitário

Não é a primeira vez que um vídeo publicitário causa repercussão sobre o roteiro. Nem mesmo será a última vez. Deste modo, vejo apenas como um comercial promovendo um produto e não me sinto ofendido, principalmente por nunca ter deixado um cliente esperando.

Mais uma vez gente, é minha opinião e respeito a de todos que se sentiram ofendido, tanto que não coloquei o vídeo, pois muitos fotógrafos entraram em contato com a empresa e o vídeo foi tirado oficialmente do ar.

O que levo disso tudo?

Mais uma experiência. Temos de estar preparado para tudo, entregar minha melhor fotografia e, “coisas” como esta não atingirem minha empresa comercialmente.

Pra mim, a questão principal é posicionamento.

Um exemplo…

… temos 3 noivas apaixonadas por suas bolsas Louis Vuitton, porém há um detalhe que as tornam diferentes:

  • A primeira compra sua bolsa original aqui no Brasil;
  • A segunda compra sua bolsa original na Europa;
  • A terceira compra sua bolsa falsificada nas feirinhas;

Eu te pergunto: Quando forem casar, qual delas estaria disposta a te contratar? Ou melhor, qual delas teria uma percepção real sobre sua fotografia e sua marca no mercado?

Se for falar sobre mercado: Qual delas te trocaria por um padrinho de casamento com um iPhone? Certamente não seria a que investiria alto financeiramente no casamento.

A questão que está em jogo em qualquer carreira é: Não basta querer ser alguém e alcançar novos patamares, e sim planejar, seguir os passos necessários que são difíceis, mas possíveis.

Esta é minha visão real sobre o mercado e o que já experimentei em minha carreira como fotógrafo profissional de casamentos.

Quem me acompanha, sabe que defendo um planejamento bem beijo e sua execução.

Quem não sabe onde deseja chegar, qualquer caminho serve, e na maioria das vezes o destino não é o agradável.

Abraços!

Plano de Negócio para Fotógrafos Fotografia

  • Natan Oliveira D’Oxóssi

    Uma publicidade que ‘agride’ qualquer tipo de profissional para poder vender um produto é uma péssima publicidade.

    E se a propaganda fosse:
    “- Nossa, o médico que ia fazer a minha plástica deu o cano..
    – Não tem problema, eu tenho um bisturi.!”

    • Acho que nao agrediu qualquer tipo de profissional, e sim os que dão cano. A carapuça não serviu pra mim.

      Agora em vez de ficar chateado com a verdade, deveríamos nos preocupar com os que fazem isso, que é um FATO…

      Sobre os médicos amigo, se um fotógrafo precisasse estudar 6 anos para entra na profissão, nem entrariam, pois não querem nem ser assistente por 6 meses.

      • Natan Oliveira D’Oxóssi

        Se não fosse nada, o CONAR não tinha entrado em cena.
        Por mais que a sua interpretação seja essa, muitas pessoas viram a propaganda como uma afronta ao fotógrafo profissional de casamento.

        O que eu acho lamentável é o rumo que a discussão toma quando alguns argumentos simplesmente param no “não se garante e tem medo de perder cliente para um cara com o celular”. É deprimente como alguns argumentos são rasos… Representam o quão raso são alguns tipos de opinião que pegam apenas uma variante da proposta da propaganda, coloca como sendo única, e batem na mesma tecla a pi tô de realmente crerem que “ser contrário à propaganda é ser ‘mimizento'”.

        • Pelo jeito, poderia ter feito uma entrevista com 100 clientes que você sempre atacaria o meu pensamento… Já disse acima, é nítido como pensamos diferentes e fica claro que nossa discussão não chegará a lugar algum.

          E você pode dizer que não tenho amais argumento para discutir, já que gosta de sempre pegar textos isolados e não o contexto… Pense como quiser, eu que não vou mais perder meu tempo com algo que não chegará a lugar algum.

          • Natan Oliveira D’Oxóssi

            Para encerrar esse assunto com você só deixo um adendo.
            Ao postar algo na internet você está sujeito a aprovação e reprovação. Eu aprovo e assino embaixo inúmeras posições suas, mas nesse caso não consigo ser e, da mesma forma que eu comento dizendo que sou a favor eu comento dizendo que sou contra.
            O mesmo direito que você tem de ter opinião eu também tenho de ter. Compatíveis ou não, isso eh democracia, caso contrário, todo mundo pensaria igual e seria um tédio.
            A minha intenção, ao ver algo público, é procurar o debate, mas aqui não vai funcionar por que você aparenta* não gostar de questionamento.

            Enfim, fico por aqui e volto, se algum dia concordar com algo, assim “não te ofendo sendo contra uma posição sua” (entre aspas).

            Abraços e até a próxima.

          • Natan, a questão não é não gostar de questionamento e sim não perder tempo. Já está claro que você pensa de uma forma e eu de outra. Não há problema nisso. A questão é que já está clara a posição de cada um, por isso não vejo motivo em continuar este papo. Se houvesse dúvidas, aí sim veria motivo para continuar. Você, assim como eu já temos opiniões formadas sobre este assunto.

      • Natan Oliveira D’Oxóssi

        E o exemplo da bolsa chega a me dar repulsa.

        • Acho que meu papo com você acabou… É nítido que pensamos diferentes e não tenho mais motivos para perder tempo discutindo… Siga seu rumo da forma que pensa…